Arquivo da categoria ‘Desenvolvimento’

Referência de Tags do HTML5

Publicado: janeiro 28, 2010 em Desenvolvimento

Pessoal, um amigão meu indicou esta tabela de referências muito bacana do HTML5. Espero que sirva!

Para quem ainda não conhece as principais mudanças, de uma forma mais simplificada disponibilizei este post:
Principais mudanças do HTML5 para o desenvolvedor
(mais…)

Toda tecnologia nova vem para acrescentar algo novo.

Às vezes, é complicado aceitar novas metodologias se elas não trazem grandes mudanças de funcionamento ou na estrutura.

Foi assim com a mudança do HTML para o XHTML. No inicio foi bem difícil porque era só uma maneira correta de escrever e deixar o código mais leve. Com o passar do tempo, vimos que ele trouxe muitos benefícios na produção de projetos web.

Ao passar para o XHTML, surgiu também uma preocupação maior com o CSS. Sua estrutura então foi mais organizada, com as brigas acirradas para conseguir melhores resultados nos buscadores. Qualquer ponto positivo fazia diferença.

Novamente, o tempo passou e vimos uma migração muito grande por parte dos desenvolvedores, que agora estão mais preocupados com detalhes não somente funcionais, como, também, estruturais.

A quinta revisão do HTML tem um objetivo muito funcional e com muitas interações que antes não eram possíveis.

Vejo o HTML 5 como uma linguagem universal para a padronização da semântica.

Com certeza ele não veio para atrapalhar, por mais que navegadores renomados ainda não disponham de suporte para tal linguagem.

E sabemos quão difícil é a migração de navegadores através dos usuários normais, como é o caso do IE6 para o IE7. Hoje há possibilidade de fazer o código funcionar nos navegadores através de um arquivo .js.

Antes de criticar, vamos conhecer as suas principais mudanças.
Elementos de estrutura

<header> – cabeçalho da página ou de uma seção (não confundir com a tag <head>);

<section> – cada seção do conteúdo;

<article> – um item do conteúdo dentro da página ou da seção;

<footer> – o rodapé da página ou de uma seção;

<nav> – o conjunto de links que formam a navegação, seja o menu principal do site ou links relacionados ao conteúdo da página;

<aside> – conteúdo relacionado ao artigo (como arquivos e posts relacionados em um blog, por exemplo).
Elementos de conteúdo

<figure> – usado para associar uma legenda a uma imagem, vídeo, arquivo de áudio, objeto ou iframe:

<figure>

<legend>Figura 1. Esquema de uma página em HTML 5</legend>

<img src=”html5.png” alt=”Estrutura do HTML 5″ />

</figure>

<canvas> – através de uma API gráfica, irá renderizar imagens 2D dinâmicas que poderão ser usadas em jogos, gráficos, etc;

<audio> e <video> – usados para streaming (transmissão pela internet) de áudio e vídeo. É uma tentativa de criar um padrão em todos os navegadores como acontece hoje com as imagens:

<audio src=”musica.mp3″ autoplay=”autoplay” loop=”20000″ />

<video src=”video.mov” width=”400″ height=”360″ />

<dialog> – junto com as tags <dt> e <dd> será usado para formatar um diálogo:

<meter> – usada para representar medidas, que podem ser de distância, de armazenagem em disco, etc.
Conclusão

A maioria dos navegadores de hoje ainda não tem suporte a HTML 5. E nem todas as novas tags estão completamente definidas.

Muitos acham que ainda não é hora de gastar energia e tempo desenvolvendo um site para os navegadores mais recentes para depois ter que “corrigir” o código pensando nos navegadores antigos.

Além disso, a própria W3C admite que as especificações atuais ainda não são definitivas e podem sofrer revisões.

Por outro lado, algumas pessoas defendem que toda tecnologia nova deve ser colocada em prática para evoluir, encontrar erros e estabelecer melhorias.

A resistência sempre vai existir, como aconteceu com os padrões web na migração do IE 6 para o IE 7.

De acordo com o autor, temos sim que aprender a usar a nova tecnologia e o que não funciona, arrumar uma saída para corrigir, pois o HTML 5 veio para ficar assim como novos navegadores e novas APIs.

É melhor acompanhar as novas tendências para não ficarem para trás.

Vi este artigo na Webinsider – Link da página

Também tem outro artigo  relacionado interessante:

Reblog this post [with Zemanta]